quinta-feira, 23 de junho de 2022

Existe espiritualidade fora da religião?

Há quem diga que não, há quem diga que sim, afinal existe espiritualidade fora da religião?

Antes de aprofundarmos essa questão vamos definir o que cada uma das duas palavras significa.

Espiritualidade: Qualidade ou caráter espiritual, progresso metódico dos valores espirituais. Significado informal: Busca do significado da vida por meio de conceitos que transcendem o tangível, à procura de um sentido de conexão com algo maior que si próprio.

Religião: Crença na existência de força ou forças sobrenaturais, manifestação de tal crença pela doutrina e rituais próprios, devoção. Significado informal:  um conjunto de crenças e práticas sociais relacionadas com a noção de sagrado, o religar com o divino.

Entre outras palavras poderíamos definir a religião como um dos caminhos que permitem o acesso a espiritualidade, espiritualidade essa que seria então o objetivo pelo qual existem as religiões.
Sendo a religião um dos caminhos, logo compreendemos que SIM EXISTE ESPIRITUALIDADE FORA DA RELIGIÃO.

No que isso implica?
Implica em uma certa autonomia na jornada espiritual, maiores possibilidades de experimentação, liberdade e muitas dúvidas rsrs, implica numa busca intensa em nós mesmos e na sede pelo conhecimento.
Em contrapartida a religião traz consigo dogmas e estruturas que buscam "facilitar" nosso contato com o divino, porém nos limita a um caminho predeterminado como também a visão do líder religioso que será então responsável pelo nosso desenvolvimento espiritual.

Fato é que em toda a história da humanidade o homem tentou estruturar seus cultos aos deuses, sim porque o conceito de monoteísmo não esteve presente desde o inicio, e dessa forma foi criando seus próprios ritos de conexão, assim como suas religiões, a coisa realmente perdeu sua finalidade a partir do momento que deixou de ter como objetivo o caminho espiritual e passou a ser utilizada para subjugar, hoje vemos um cenário ainda mais crítico onde verdadeiras bizarrices acontecem em nome de deus.

Nosso maior desenvolvimento espiritual está em questionar tudo o que nos é imposto como verdade mesmo que a nossa escolha seja pelo caminho religioso, isso não se trata de racionalizar a fé e sim de viver nossas próprias experiências valorizando a liberdade que temos e que muitas vezes nos é tirada por falta de compreensão da nossa natureza, afinal nossa maior ilusão é não compreender que não existem intermediários entre nós e o plano espiritual, nós temos uma conexão direta.
Nem tudo que cai do céu é sagrado, nem tudo que parece divino é divino.
Quando estava pensando em como escrever este post logo eu me lembrei do filme Matrix e por isso no inicio da minha fala eu inseri a imagem das duas pílulas, no filme a pílula azul representaria a ignorância abençoada, estar preso a uma  falsa realidade e se apegar a ela por ser mais fácil de lidar, enquanto a vermelha incentivava a abraçar a realidade por mais dolorosa e desafiadora que esta fosse.
Quão perigoso tem se tornado entregar nossa vida nas mãos de líderes religiosos que agem para alimentar seu próprio ego e ganancia, subjugando, manipulando, amedrontando e explorando aqueles que por eles deveriam ser conduzidos.

"Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês fecham o Reino dos céus diante dos homens! Vocês mesmos não entram, nem deixam entrar aqueles que gostariam de fazê-lo.
Mateus 23:13

A espiritualidade é algo inerente ao ser humano independente do caminho que ele escolha trilhar para se conectar com o divino, ignorar este fato é também ignorar a fala de Jesus, de Buda, e de tantos outros  mestres que vieram a terra nos trazer clareza, muitas vezes preferimos dar ouvidos ao ego humano camuflado pela santidade do que nos abrir para uma conexão real com a espiritualidade.

Dessa forma em contrariedade a quem diz que fora da religião não há espiritualidade, digo que a espiritualidade nunca precisou de religião para existir, sua manifestação é sútil mas também intensa, pode ser sentida no mais profundo do nosso ser porque fazemos parte dela. 









Nenhum comentário:

Postar um comentário