sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Round 6 é uma série infantil?

Eu adoro filmes e séries, busco sempre estar por dentro das novidades, e dessa vez o surgimento de uma série coreana veio movimentando as redes sociais, causando polemicas e chamando a atenção de muita gente, foi então que  Round 6 se tornou a nova queridinha do momento.
A pergunta que não quer calar é, Round 6 é uma série infantil por apresentar brincadeiras como batatinha frita 1,2,3?


A resposta parece óbvia não é mesmo, Round 6 é uma série com classificação 16 e definitivamente não é uma série para crianças, mesmo tendo como base jogos infantis.
Essa resposta deveria bastar, mas me deparei com uma galera se posicionando contra a Netflix por causa da série com a seguinte reclamação: CRIANÇAS ESTÃO VENDO A SÉRIE.

É  justamente sobre isso que eu quero falar neste post.

Nós temos vivido uma triste época onde toda a educação infantil está sendo delegada a terceiros, o que inclui a própria plataforma conhecida como Netflix.
E quando me deparo com uma problematização desse nível fico profundamente triste, afinal sou mãe, professora e  terapeuta o que me leva a ver as muitas faces dessa situação.
Obviamente este post não tem o intuito de atacar pessoas, muito menos ignorar as dificuldades encontradas em âmbito social, mas sim fazer um alerta e chamar para realidade pais e cuidadores que devem sim ser a base da construção da pequena criança que está sob seus cuidados.

Round 6 não é uma série para crianças, assim como muito conteúdo presente nas redes sociais, no Youtube, no Tik tok e no Kwai também não são, culpar essas plataformas por um cuidado que cabe a nós tomar é buscar uma isenção de responsabilidade que não cabe a um cuidador.

Existem diversos temas que estão sendo inseridos no contexto infantil os quais a criança não tem maturidade para assimilar e tudo isso é responsabilidade nossa, essa falta de responsabilidade tem enchido consultórios com os mais diversos traumas e transtornos.

É muito preocupante ver que as crianças hoje estão tão envoltas nesse monte de lixo emocional, sendo inseridas em sua sexualidade tão precocemente, tendo acesso a jogos tão violentos em um momento onde mau definiram o que é real do que é fantasia.

A questão aqui não é a série em si, inclusive achei essa produção muito coerente e deve sim ser assistida e analisada com profundidade, a questão é o quanto estamos envolvidos na vida de nossos filhos a ponto de saber ou não o tipo de conteúdo que ele tem consumido.
Tudo deve ser investigado até mesmo aquilo que é considerado classificação livre, tudo precisa passar pelo filtro do bom senso.

Criar uma criança é fácil, basta satisfazer-lhe as vontades. Educar é trabalhoso.
Içami Tiba

Com base nessa fala do Dr. Içami Tiba quero te trazer a reflexão, tenho me responsabilizado pela educação do meu filho, ou acho que a culpa é da Netflix?

Nenhum comentário:

Postar um comentário