terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

BBB | Cultura do cancelamento e pressão psicológica

Se me perguntarem se eu acompanho o BBB a resposta será NÃO!

Olá sejam muito bem vindos ao blog!

Hoje nós vamos falar sobre a cultura do cancelamentopressão psicológica, para isso vamos refletir sobre os últimos acontecimentos do BBB 21.




Eu não acompanho o Big Brother e obviamente respeito quem goste deste tipo de entretenimento, mas nos últimos dias minhas redes sociais foram bombardeadas por este assunto, e como terapeuta, futura psicanalista e humana eu decidi olhar com atenção pra o que estava acontecendo e causando tanto alarde nas redes.
Confesso que eu fiquei muito triste e demorei pra assimilar as informações, por outro lado eu vi o retrato da nossa humanidade exposto na tv.

O objetivo aqui não é apoiar este ou aquele participante, mas fazer uma análise sobre o que temos nos tornado.

A cultura do cancelamento não é algo novo, mas nunca foi tão evidente.


Como podemos compreender a cultura do cancelamento ?

Embora muitas vezes não fique tão evidente sempre estamos procurando alguém para nos espelhar, alguém que nos represente, que fale aquilo que não conseguimos falar, que faça o que não conseguimos fazer, assim nascem os fãs e os ídolos, em outras palavras pessoas que estão em evidência acabam sendo a voz ativa dos anônimos, sua representação.  
A questão é que ao fazer esse tipo de associação esquecemos da nossa humanidade assim como da humanidade do modelo que resolvemos seguir,  então ao menor deslize desse individuo, ou a expressão que vá contra aquilo que nós idealizamos sobre ele CANCELAMOS O CIDADÃO.
Percebe que não cancelamos pessoas com quem nunca tivemos afinidade, essas pessoas a gente simplesmente ignora, mas quando um vínculo é quebrado a coisa muda de figura.
O cancelamento é a forma mais cruel de punição já criada pela humanidade, pois ela age na mente das pessoas e manipula, condena sem chance de qualquer defesa.

Muito dificilmente alguém que passa por um cancelamento sai ileso desse bombardeio, são muitas as perdas e dentre as  mais profundas estão as de cunho psicológico.

Confesso que muito me preocupa essa cultura que nos dá o direito de cancelar pessoas, me preocupa por dois motivos especiais...
Primeiro antes de surgir o cancelamento surge uma modelagem doentia, ou seja as pessoas não tem mais personalidade agem de acordo com o que seu ídolo representa...
Segundo ponto é quando o cancelamento de fato acontece, pois ele arrebata em mão dupla, o ser cancelado é massacrado o que fixa a ideia que temos que ser perfeitos e emitir opiniões que não contrariem a massa, enquanto que o cancelador olha pra tudo isso como se não fizesse parte também da humanidade dele, em alguns casos a coisa chega em um patamar tão extremo que a pessoa perde completamente a razão como se ele se esvaziasse da personalidade do ídolo mas não soubesse qual é a sua própria personalidade, e ai vem a confusão.

Isso é muito sério, afinal o que temos nos tornado?

Com isso quero provocar uma reflexão ainda mais profunda...
Devemos viver com medo do cancelamento?
Devemos ceder as pressões que exigem que sejamos desse ou daquele jeito?
Temos o direito de cancelar alguém?
O fato é que se respondemos sim para alguma dessas perguntas estamos completamente aprisionados e vulneráveis a um sistema competitivo que visa apenas uma coisa: O LUCRO financeiro, enquanto  matamos uns aos outros.

É preciso olhar pra dentro, tem tanta coisa a ser trabalhada para nossa evolução e felicidade plena, porque se prender a conceitos como esse representado pelo cancelamento?
Olhe mais a fundo vai perceber que não é luta pela causa, nunca foi.

Te convido a refletir profundamente sobre isso...
Afinal quem é o vilão e quem é o mocinho? Esse papel nunca se inverte? Será que o agressor nunca foi agredido? O agredido nunca agrediu?
Como cancelar algo tão enraizado na essência humana? 

Escolha ser diferente pelo bem de sua saúde mental, não ceda a pressão psicológica exercida pela massa, busque sua essência, esse é o melhor caminho.
Tudo começa e termina em você. 











Nenhum comentário:

Postar um comentário